Democracia de Quatro: mulher-pêra e a “intimidade” do voto.

Posted on setembro 6, 2012

41



“VOTE EM MIM QUE EU MOSTRO MEU PIERCING ÍNTIMO”: introdução ao caso da candidata-bunda.

Image

“vamos votar num cu, e terminar de cagar a política” disse um pensador na minha timeline.

Este post se trata de uma recente e “agradável” surpresa que aconteceu comigo em uma sexta-feira de Deus, pra ser mais exato, dia 31 do mês passado. Digo agradável porque o que começou como uma despretensiosa indignação – com mais um ataque ao nosso processo democrático por Partidos/Candidatos que se usam do que há de pior na nossa cultura e nosso sistema eleitoral pra puxar votos pra sua legenda -, acabou virando uma conversa reveladora não só da mentalidade da bunda, digo, candidata acima, mas de que ponto chegamos enquanto brasileiros, no geral.

Resumo sucintamente o que aconteceu: cheguei em casa e em vez de sair pra aproveitar meu fim de semana, resolvi ficar em casa e descansar. Entro no facebook e dou de cara com essa imagem. Abri e o quadro era desolador, como era de se esperar: muita gente achando o máximo, rindo, dizendo que ia votar na “urna” dela, etc…. mas também muita gente revoltada com a postura da dita “mulher-pêra”. Resolvi me juntar ao coro dos descontentes, e postei um comentário contestador, e pra minha enorme e “grata” supresa, tão logo em seguida ela respondeu (!!!). Começamos um bate-boca, várias pessoas participaram, o que deu visibilidade pro tema e me deu a chance de estar aqui. Salvei a conversa inteira, fiz um recorte dos principais pontos e trago pra apreciação geral.

A idéia é fazer uma análise dessa postura dela, contextualizando com determinados elementos que acredito importantes para se entender de maneira mais profunda esse gesto da candidata. Como sociedade costumamos ignorar e fazer piada com coisas muito sérias, e por isso, peço licença para deixar alguns alertas.

Sem mais, iniciemos.

MULHERES X MENINOS: 

no começo, o carnaval.

A imagem “capa” do post foi a chamada dela no facebook, e veio como primeira “recompensa” ao possível eleitorado da bunda-fruta. A segunda seria mostrar o “piercing-íntimo” dela. O quadro por si só é patético, que causa, no mínimo, náusea, por demonstrar a que ponto chegou nosso processo eleitoral. Todavia, os primeiros comentários só mostram que, apesar de todo esforço de alguns setores  da nossa sociedade em inventar uma idéia “diferente” do ser brasileiro, essas poucas linhas são bem emblemáticas: como cachorros no cio, o rabo guarda ainda a maior das promessas. Entre piadas infames e comentários jocosos, no fundo reside o velho erotismo exacerbado, que desta vez ganhou um número na tentativa por um assento (literalmente) na política. Depois do cantor brega, o pastor, o jogador de futebol, o palhaço, agora é a vez da bunda. A promessa de campanha é o acesso à sua intimidade, que o pedacinho de ferro decora, e isso é tudo, pois a política do cio coletivo é simples de se entender, e de ser vivida.

guerreiras lutando pelo resgate da dignidade do gênero, de um lado, do outro, a galera que curte um rabão, fi

Em inúmeros momento na conversa fica evidente, e já era de se esperar, quem é o possível eleitor da bunda-pêra: o homem-menino, na eterna busca frenética de voltar pro útero pelo caminho que veio. No começo, as únicas vozes dissonantes são das mulheres, mas claro, o fato delas se levantarem  é visto como “recalque/inveja”, e não como uma forma válida de protesto. Várias piadas são feitas nesse sentido, tentando desclassificá-las. Esse é o retrato da triste realidade daquelas que não se rendem aos esteriótipos da nossa sociedade profundamente machista: se você não concorda com a vulgaridade é porque você deve ser uma dessas “gordas-feias-invejosas” que estudou demais. Além de tudo que passam no dia-a-dia, nas filas, nas ruas, nos assobios, nas brincadeiras imbecis, quando levantam a voz pra tentarem defender a própria dignidade contra aquelas, como a mulher-pêra, que encarnam tudo o que há de pior e degradante no lindo-gênero, o que encontram é o escárnio rotulador, a piada estúpida.

“esse só pode ser viado” comentou algum eleitor consciente

Pro meio da conversa algumas vozes masculinas se colocaram contra a maré, mas como no caso das mulheres, também são rotulados. Essa rotulação, que também já era de se esperar, vem inclusive da PRÓPRIA mulher-pêra, como mostraremos abaixo. No país, só tem um caminho pro sujeito-homem: ou gosta da exposição vulgar da figura feminina, ou então tem a heterossexualidade contestada em praça-pública. Apesar de todos os avanços, ainda estamos muito longe de uma compreensão, quanto mais dizer vivência, do respeito ao direito dos outros de ser diferente. Somos uma sociedade marcadamente tradicional, de um tradicionalismo doentio com ares de sociopatia, e apesar de autores terem vendido a idéia da nossa “cordialidade”, essa idéia cai por terra tão logo apareça alguém que não se enquadra nos rótulos pacificamente aceitos e que, supostamente, devem nos definir, como o binômio “samba+bunda”.

PLATÃO RIMA COM POPÓZÃO.

minha primeira intervenção. prazer, Paulo César

Bem, cheguei na conversa e mandei esse comentário. Fiquei realmente passado pela postura da pêra-bunda, pela total falta de noção dela, pela completa falta de respeito com o que há de ELEMENTAR em matéria de RESPEITO, não digo nem em matéria de política, porque eu acho que ela feriu todo um plano ético anterior a isso. Fiz o comentário, e saí… nem ia seguir o post, por conta do meu cetismo quando o assunto é crítica política neste país, mas aí tive minha agradável surpresa!

democracia, (do grego “minha”, e do latim “bunda”): filosofia de governo das pessoas-fruta que consiste em hipnotizar os governados descendo até o chão, vai vai vai vai vai vai.

E eis que a nobre-bunda aparece! Fiquei surpreso, mas a surpresa rapidamente foi substituída por “CÉUS, ELA REALMENTE FALOU EM DEMOCRACIA???”. Rasguei minha toga, amarrei o Platão no pescoço e me joguei da janela pra ver se ventilava minhas idéias. Feito isso, sentei-me, procurei me recompor, e voltei à carga…

Introdução à Ciência Política da Feira da Fruta, com mulher-rabão.

Tive que perguntar se ela sabia o que era democracia, afinal, todo mundo tem uma idéia do que seja, não é mesmo? Governo do povo, da prática da isonomia, da maioria, e por aí vai. No nosso país, “democracia”  é uma experiência bem diferente. Aqui, democracia é o a desculpa usada pra impôr um pensamento, geralmente conservador e retógrado” a uma população que não se conforma, e até mesmo se envergonha de ter que participar deste circo. A democracia também é o escudo pra se cometer barbaridades e se continuar cometendo elas. Quando a VEJA é atacada por seus elos com o esquema “Cachoreira Gate” (remember Demóstenes Torres), estamos sendo “anti-democráticos”, porque estamos atingindo a “liberdade de expressão” (outro termo que sofre do mesmo mal) da pobre Revista em continuar espalhando mentiras e ocultando o fato que serve a sinhôzinhos bem específicos da nossa sociedade. O mesmo se aplica à nossa colega-bunda: a “democracia” daria a ela o direito de lançar mais “lama” (metonímia, estou pensando naquilo que sai da bunda, na verdade) ainda no nosso precário sistema político. Não só ela, o Partido dela (o PT do B, tentando se aproveitar de elementos da mecânica eleitoral pra puxar voto pra legenda) faz a mesma coisa, e nos faz esses desfavor, lançando ela como candidata.

Purismo da minha parte? Estou sendo radical? Moralista? Bem, sim, é isso mesmo. Eu acredito que enquanto não recuperarmos o sentindo ORIGINAL do conceito de democracia MODERNA (pros gregos era outra coisa, viu?), vamos continuar patinando, pagando impostos exorbitantes, sendo governados por corruptos, palhaços e bundas. Se é isso que você quer, se é isso que você procura como cidadão, quando avacalha todo o processo e vota em gente como ela, então me desculpe, mas assim como ela, você não tem a MÍNIMA noção do que seja democracia, de fato. E só pra te lembrar, o “princípio da moralidade” é, no mundo do direito administrativo, um dos maiores vigias da ação estatal…. e por isso, ou resgatamos também essa moralidade, ou tudo continua como está.

“VOCÊ NÃO GOSTA DE MULHER?”: As mil caras (bundas?) da Homofobia.

gosto bastante, mas gosto mais ainda de um país sem políticos como você

Bem, chegou a hora do grande petardo da grande (em medidas) candidata. A conversa toda já vinha sendo construída nesse sentido, como disse acima: não concordar com essa postura dela é colocar em xeque tua masculinidade. Pois bem, ela manda então o comentário, querendo me ironizar e desqualificar-me. Bem, ela ganhou uns likes e uns risinhos de alguns meninos-eleitores, mas no geral, a reação foi mesma que a minha: eu fiquei num misto de pasmo/hã/que?/sério mesmo? Vocês vão notar isso no comentário a seguir… antes, entretanto, vamos tentar responder uma pergunta: e aí, houve homofobia ou não?

Bem, eu cheguei a ler de uma pessoa que não teria havido homofobia porque “não foi homofobia, foi APENAS preconceito”: Apenas. Preconceito. Ponto. Extremamente ilustrativo esse comentário da visão que temos do que seja ser homofóbico neste país: homofobia só acontece quando chega-se às vias de fato, quando alguém apanha na rua, quando alguém morre, quando algum global é discriminado. Pro resto, sobra a categoria de “preconceito”. Esclarecendo o óbvio, preconceito direcionado a escolhas sexuais de uma pessoa é a essência MESMA da homofobia, é o que a caracteriza. Então, nossa bunda-com-registro-no-TRE foi homofóbica sim, e foi do pior jeito: utilizando essa homofobia pra me ironizar, pra fazer piada. Tentar diminuir esse gesto dela, tentar pintar com cores mais suaves é coadunar com esse pensamento patético que, infelizmente, é muito comum no país. Acho que já passou da hora de começar uma campanha de EFETIVO respeito pelo direito das pessoa de serem o que são, de viverem a idéia que elas tem de amor, e permitir a cada um construir a sua felicidade. Que comecemos isso pra ontem, como nação, mas pra isso, precisamos afastar DE UMA VEZ gente como a fruta-bunda da política.

cuecas ou calcinhas com dinheiro, faz diferença, pergunto a você amigo fã do esporte que está nos assistindo.

Ainda dentro do tema, vamos ilustrar um pouco da lógica dela: bunda é uma parte com outra qualquer? Sim, neandertalmente falando, verdade. Agora numa sociedade que preza pelo MÍNIMO de decoro, estabelece-se limites. Ela não conhece esses limites,e  ainda tentou sair com a (talvez) quase-tirada “melhor a bunda que cueca com dinheiro”. Bem, onde ela guarda o dinheiro eu não sei (imagino) mas o dinheiro PÚBLICO espero que esse ela não veja, em lugar algum. De qualquer maneira, fica evidente que ela resolve tudo em binômios manequeístas excludentes: ou bunda/ ou cueca; ou votar nela / ou ser homem. Infelizmente pra ela, a política, e a vida no geral, são bem mais complexas que isso.

ai gente, sério, ninguém merece essa bicha recalcada aqui me azucrinando só porque mostrei um popózinho básico né?

Pra quem tá em dúvida ainda, essa passagem dela é mais que esclarecedora: além de tudo, além de não gostar de mulher, estar puto, xatiadu, xingando muito no twitter… tudo isso é “fruto” (há!) de frustação (sic… ou ato falho?) pessoal. Ou seja: não é porque eu não concordo, não é porque tá errado… nada disso é porque EU NÃO GOSTO DE MIM MESMO =/ !! Por não estar feliz comigo mesmo (e outros que estavam lá também criticando ela) eu fui perder meu tempo pra discutir com ela.  Fui destilar um enrustimento, cuspir um veneno de bicha amarga, essas coisas. Isso tudo seria engraçado e cômico, não fosse ela uma candidata e não estivesse ela registrada pra receber o voto de pessoas. É esse tipo de coisa que me (e você também, certo?) “fustra” com a política nacional.

ooooooooops, acho que fiz caquinha

Bem, aqui a bunda começou a se tocar que tinha feito merda. Ficou nítido pra várias pessoas a infelicidade do comentário dela. A partir desse momento o que vemos é um show de tentativas dela de se explicar, o que só piorou a situação dela.

“ALGUÉM ME LIGA COM MINHA ASSESSORIA!!! ALÔ? EU QUERIA FALAR URGENTE COM O SR. PT DO B, É A PÊRA!!”

O melhor ainda está por vir.

já não bastava aquele viadinho, agora tenho que aguentar esse doente??

Precisa-se dizer alguma coisa? Mesmo? Precisa dizer ela é uma despreparada, que não sabe lidar com crítica, exemplo ao vivo e em bunda do que há de pior na política? Os políticos profissionais, por mais corruptos que sejam, sabem lidar com a crítica e trabalhar com ela. Alguns até extraem dela elementos para melhora, e planos políticos. Esse não é o caso dela, como já está claro desde o primeiro comentário dela. E aí eu pergunto: sério MESMO que vão votar nela (você eu sei que não), que essa mulher vai ter um voto sequer? Sério, São Paulo, serião mesmo?

não, quero deixa claro que não gosto de cabrito… quer dizer, até gosto, mas pelo menos passa uma menta nele antes e coloca pra assar.

Bem, aqui ela foi paulatinamente diminuindo os comentários. O que imagino é que alguém da equipe dela, antes de ir pra balada, deu aquela checada básica no FB, e acabou topando com isso e viu o tamanho da merda: um candidata a vereadora com a bunda em cadeia nacional, com número no rêgo, batendo boca na internet com viado, frustrado e doente mental…

para um doente mental, até que o rapaz se articula bem, hm?

… E depois desse comentário, mandou um singelo…

vade retro… quer dizer, não, vai de frente mesmo, filha.

Mas continou comentando um pouco ainda, falando com uma amiga que tava online tentando defender ela, mas logo depois sumiu.

MALDITA INTERNET!

Depois do boa-noite, ela parou. Parou porém o que aconteceu foi o seguinte: o post começou a ser editado. Começaram a apagar os comentários que a gente tinha feito, muitos, inúmeros, na tentativa de salvar a foto e a idéia de chamar o “eleitor” dela pelo melhor (eu diria maior só) atributo dela. Isso demonstra uma coisa: a foto não foi idéia dela, algo que ela fez, mas idéia do pessoal que assesora ela, e do Partido. Isso demonstra bem a “cara” dos nossos partidos políticos hoje, qual é a idéia deles de política: política é voto, e voto se consegue de qualquer jeito. O PT do B não é diferente do resto nisso, mas ele desceu mais baixo ao permitir que essa sujeita fizesse o que fez. Se o post fosse só dela, na hora que vissem a foto, mandaria o bom-senso dizer “tira”, como foi o caso depois que eles viram que não tinha mais conserto. Mas antes disso, ela tentou mandar esta aqui:

malditos hackers da internet, sempre atrasando o lado (de trás) das pessoas de bem!

Bem, quando tudo dá errado a gente tenta sair com uma conversa pra ver se cola. Infelizmente, não colou, e aí mandamos esta aqui pra finalizar:

data venia pra não acreditar em vossas palavras, afinal, é do político (mesmo o pretenso) mentir

E aí, não demorou muito, o post sumiu! Foi apagado, o que pra nós foi uma vitória, afinal, o desrespeito dela à política e à democracia sumiu da cara da gente, pelo menos no facebook. Ela ainda tentou continuar com ele no twitter e na página dela, mas a reação negativa, na mídia no geral, fez com que (vi hoje) ela tirasse uma foto mais “comportada”. Põe na tela:

devidamente vestida, com o número no braço. não há como negar que foi um avanço. (fonte: http://www.band.com.br/noticias/eleicoes2012/sao-paulo/noticia/?id=100000531347)

Bem, e aqui eu dou meus parabéns pra todos que reclamaram, xingaram, ou que fizeram barulho de alguma forma: pode parecer bobagem, mas esse gesto é o sinal que o Partido dela (e todos os outros) que palhaçada tem limite, que essa busca de puxar voto pra legenda tem limite, que eles não vão ficar fazendo pouco caso da nossa (já por demais débil) democracia. Espero que o PT do B e todo o resto guarde essa lição. Isso também mostra na força que temos, mas que infelizmente não usamos. No dia que começarmos a levantar e nos indignar pras menores coisas, esse vai ser o dia que finalmente vamos avançar enquanto nação. Até lá, vamos comer muito capim e ver muita gente, como ela, tentando entrar na política pelas portas dos fundos (literalmente, mais uma vez).

No mais, fica aqui minha sincera torcida por São Paulo, pra que os cidadãos usem a cabeça, e não coloquem o voto na bunda.

Anúncios
Posted in: Sociologismos.